PRR: Metade dos concursos já foram lançados. Crise climática e transição digital nas prioridades.

O Presidente da Estrutura de Missão Recuperar Portugal, Fernando Alfaiate, anunciou que 50% dos concursos da dotação global do plano já foram lançados. Fernando Alfaiate refere que relativamente à execução do Plano de Recuperação e Resiliência, além da percentagem de concursos já lançados, é de relevo salvaguardar que cerca de 25% da dotação está aprovada, tendo sido até à data processados 3% dos pagamentos. Crise Climática e Transição Digital estão entre as prioridades do plano.

Fernando Alfaiate, Presidente da Estrutura de Missão Recuperar Portugal, sublinha que a situação atual do Plano de Recuperação e Resiliência está de acordo com os parâmetros estabelecidos pela Comissão Europeia aquando da aprovação do plano, encontrando-se o país a preparar o segundo desembolso, o qual será submetido no terceiro trimestre de 2022. O responsável da Estrutura de Missão Recuperar Portugal acredita que não haverá dificuldades temporais em cumprir os marcos e metas definidos no Plano de Recuperação e Resiliência, apesar do atual contexto mundial, motivado pela invasão da Rússia à Ucrânia.

Questão climática e digitalização
O Plano de Recuperação e Resiliência apresenta um conjunto de apoios com o intuito de promover a transição climática das empresas nacionais. Fernando Alfaiate, Presidente da Estrutura de Missão Recuperar Portugal acredita que a questão climática será uma barreira à entrada em alguns mercados, em determinados segmentos, caso não sejam realizados investimentos imediatos. Além da transição climática, o Plano de Recuperação e Resiliência irá apoiar também a transição digital das empresas, elemento considerado como fundamental não só para o desenvolvimento da empresa, como também, para a sua evolução tecnológica.

Promover o crescimento das empresas em Portugal
O Plano de Recuperação e Resiliência é visto como uma forma de promover o desenvolvimento das empresas em todos os seus segmentos, permitindo o incremento da competitividade das mesmas no mercado mundial. Além disto, este mecanismo de apoio também pretende dotar a sociedade de ferramentas que lhe permitam não só ultrapassar as consequências e obstáculos inerentes ao contexto pandémico, como também, incrementar a resiliência do país para enfrentar os desafios do futuro.

De referir que o primeiro desembolso da Comissão Europeia no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência, chegou a Portugal no passado dia 9 de maio de 2022, depois de o país ter cumprido todos os marcos e metas estabelecidos no plano para esta fase.

Patrícia Neves

Partilhar

2022-05-27T10:29:03+00:00
Go to Top