4 principais razões para a internacionalização da sua empresa

Algumas décadas atrás, a palavra internacionalização estaria reservada a grandes organismos corporativos com muito poder e influência. No entanto, com a proliferação da world wide web, hoje, a chance de participar diretamente no mercado internacional está a pouca distância.

Expandir o seu negócio pode parecer arriscado, mas, seja por representar um mercado pequeno ou pelas consequências do declínio financeiro de 2008, são várias as empresas portuguesas que atualmente dependem da presença em mercados globais. Pelos vários benefícios que estão associados, é frequente, aliás, que os próprios governos estimulem e financiem estratégias que o procurem através de programas de incentivo.

Entre ganhos em redução de custos, mitigação de riscos e formação e experiência, listamos as principais vantagens de um passo em direção ao mundo para as pequenas e médias empresas.

1. Diversificação de Riscos

Dirigir-se para um mercado por explorar pode trazer também vantagens relacionadas com exclusividade e o facto de ser o primeiro, uma noção apelidada de Blue Ocean, recolhendo os benefícios associados.

Da mesma forma que não se deixaria centrar apenas num único cliente, tal como aconselha o velho ditado, não devemos colocar todos os ovos no mesmo cesto. Ou seja, deixar-se estar à mercê de um único mercado expõe uma organização a oscilações sócio-economicas que podem revelar-se demasiado voláteis para a sustentabilidade a longo-prazo. Pensemos num produto que rapidamente pode ver o seu tempo de vida aumentado, uma vez que, numa articulação entre mercados, a sua procura pode ser equilibrada. Neste aspeto, a multiplicação de riscos é, em igual medida, a multiplicação de oportunidades espelhando, por norma, uma maior chance de crescimento.

2. Economias de Escala

À medida que o seu número de clientes aumenta, verá aumentar a oportunidade para alcançar custos de produção mais reduzidos. Por outras palavras, poderá obter economias de escala se a sua empresa, ao aumentar os níveis de produção, conseguir estabilizar os custos fixos, obtendo mais lucro. Suponhamos que a nossa empresa passou de produzir 50 fatos de banho (com um custo de produção de 1€) para 500 fatos de banho, contudo, a renda, patentes, salários, desenvolvimento e publicidade permanecem nos mesmo valores. Nesta situação hipotética, o nosso custo de produção por cada unidade de fato de banho seria agora de 0.10€. Uma realidade como esta, poderia permitir à empresa mais flexibilidade de preços e também maior competitividade nos mercados onde opera.

3. Talento e Formação

Muitas vezes, o ver para crer é também o ver para aprender. A procura por lucratividade e receita não é nem te de ser a única motivação para o desenvolvimento de uma empresa no campo internacional. Da mesma forma que viajar nos leva de encontro a experiências de revelações pessoais, também a presença internacional aporta às empresas expertise e recursos anteriormente indisponíveis. O crescimento e abertura a um novo espaço de talento — e recrutamento local — traduz-se no aumento de eficiência e, consequentemente, de competitividade. Em muitas situações, estar próximo dos grandes players é um passo mandatório para aprendizagem, credibilidade e desenvolvimento de relações, ainda que as margens de venda possam ser menores.

4. Notoriedade

A exposição que advém de uma presença bem difundida no mercado e nas cabeças e corações dos consumidores, reverte-se em brand awareness e share of mind indispensáveis para operar com sucesso nos mercados tipicamente saturados de hoje em dia. Estas dimensões dizem respeito à capacidade que os consumidores têm de reconhecer uma marca, um aspeto central na processo de decisão de compra, e portanto imperativo para a sustentabilidade de uma organização. Ainda que seja um construto demasiado complexo e qualitativo para transformar em números, a oportunidade que a internacionalização traz para a awareness de uma marca é muito expressiva para ser ignorada, traduzindo-se em vendas e, em última instância, lealdade.

Ficou esclarecido? Tem dúvidas ou quer partir para a ação? Entre em contacto com um consultor Start.

2018-04-20T08:41:42+00:00 Abril 19, 2018|Gestão Empresarial, Marketing|0 comentários

Deixe Um Comentário