Dotação do Programa Consolidar duplicada para 500 milhões

Dotação do Programa Consolidar duplicada para 500 milhões

O Banco Português de Fomento (BPF) decidiu duplicar a dotação de 250 milhões de euros do Programa Consolidar, de acordo com declarações do ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva. O programa do Fundo de Capitalização e Resiliência que contava inicialmente com uma verba de 250 milhões de euros, vai passar a ter uma dotação global de 500 milhões de euros.

Comparticipação de 30% do investimento advém de capitais de risco
Uma parte dos fundos de capital de risco será co-financiada por capitais de risco privados. O Banco de Fomento recebeu, em fevereiro, 33 candidaturas de capitais de risco e sociedades gestoras de capital de risco que ascendem a mais de 1,3 mil milhões de euros de investimentos propostos, para a constituição de Fundos de Capital de Risco com uma dotação agregada superior a 3.100 milhões. Entre as candidatas estão a Active Cap, CoRe Capital, Crest Capital Partners e a Portugal Ventures, entre outras.

“O investimento nos fundos de capital de risco a subscrever será obrigatoriamente acompanhado de investimento privado, com uma comparticipação de, pelo menos, 30% do capital total de cada fundo. Assim, o total dos fundos a subscrever terá, no mínimo, uma dotação global disponível de 712 milhões de euros para capitalizar empresas, promovendo o crescimento, expansão e consolidação de projetos empresariais, bem como o desenvolvimento de novas áreas de negócio e novos produtos”, lê-se no comunicado divulgado.

Incentivos são fundamentais na competitividade das empresas
O ministro da Economia, Costa Silva, manifestou ainda o desejo de que o programa Consolidar possa ser transformador, alterando a situação de subcapitalização crónica das empresas. “É fundamental haver incentivos para que as micro e pequenas empresas ganhem escala, caso contrário Portugal não vai conseguir competir nos mercados internacionais”, referiu.

Andreia Arenga

Partilhar

2022-10-12T16:07:46+00:00
Go to Top